22 Julho, 2014

Poesia (uma por dia) - 69


Confissão de um terrorista!

Ocuparam minha pátria
Expulsaram meu povo
Anularam minha identidade
E me chamaram de terrorista

Confiscaram minha propriedade
Arrancaram meu pomar
Demoliram minha casa
E me chamaram de terrorista

Legislaram leis fascistas
Praticaram odiada apartheid
Destruíram, dividiram, humilharam
E me chamaram de terrorista

Assassinaram minhas alegrias,
Sequestraram minhas esperanças,
Algemaram meus sonhos,
Quando recusei todas as barbáries

Eles... mataram um terrorista!

Mahmoud Darwich (in "Voar Fora da Asa")


Mahmoud Darwich (1942 - 2008), poeta e escritor palestino. A vila em que nasceu foi inteiramente arrasada pelas forças  de ocupação israelenses,  em 1948, durante a Nakba, e a família do poeta refugiou-se no Líbano, onde permaneceu por um ano. Voltou clandestinamente ao seu país e descobriu que o vilarejo onde nasceu fora substituído pela colônia agrícola israelense de Ahihud. Mahmoud Darwish foi preso diversas vezes entre 1961 e 1967,  e a partir da década seguinte passou a viver como refugiado até ser autorizado a retornar à Palestina, para comparecer a um funeral, em maio de 1996. Darwish é o autor da Declaração de Independência Palestina, escrita em 1988 e lida pelo líder palestino Iasser Arafat, quando declarou unilateralmente a criação do Estado Palestino. Membro da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), afastou-se do grupo em 1993, por discordar dos Acordos de Oslo. É considerado o poeta nacional da Palestina. Encontra-se traduzido em mais de 20 línguas.

21 Julho, 2014

AVANTE!

"Esses são os meus bancos, neles deposito uma fortuna de afetos" - Comentário do Cid Simões

No ano passado passei as passas do algarve e não fui, nem guardador de martelos, nem entregador de pregos, como antes tinha sido. Chegada a data, melhorado da maleita que me tolheu, lá fui. Como não podia deixar de ser entrei na escala de serviço, pois na Festa (aquela que não há como esta) há trabalho que, sobrando, não custa, nessa cidade-de-todos-os-afectos. Ontem lá estive, como escolhedor de lonas, identificador telas e recondicionador de fogões e outros pequenos trabalhos... Nesse entretanto, parei junto a um dos muitos armazéns do estaleiro, e fiz a foto acima... pensei numa legenda:

Ninguém guarda e trata tão bem os nossos bancos, 
cumprirão o seu destino, servir o povo (de novo)

Benjamin Netanyahu não está só: o chefe do governo israelense ligou para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e para o secretário de Estado dos EUA, John Kerry. A todos eles, lembrou que o Hamas é considerado um grupo terrorista...

20 Julho, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 69 (Se Seguro quer o PSD, Costa o PSD quer )

(ler conversa anterior)
"Se me diz: o PSD perde as eleições e muda e aparece outra direcção e tem outra política... Se o PSD for outro PSD com certeza que a conversa também é outra conversa" - António Costa, na "Quadratura do Circulo", citado no "Manifesto 74"

"Num Estado de Direito democrático, qualquer acordo político pressupõe o respeito do quadro constitucional em que vivemos e no nosso Estado de Direito quem define o sentido dos comandos que decorrem deste quadro é o Tribunal Constitucional. Se não se aceita isto, se não se respeita isto, não há acordo ou compromisso possível, nem sequer ele seria desejável" - Jorge Sampaio, aqui

O rafeiro do senhor engenheiro saltou, ligeiro, para o único lugar vago, da única mesa disponível. O dono, franziu o sobreolho para o animal entender. O cão não quis saber e passou para cima da dita, fazendo tombar a chávena, que saltou do pires e quase caia. Depois, refastelou-se, ignorando o ar recriminatório do dono.
- "Incompreensível, este comportamento", justificou-se o engenheiro.
- "Teu cão fez aquilo para preencher um lugar vazio"