20 abril, 2018

...e por cada cravo, um direito conquistado


Ao fim da manhã, o jardim estava assim, pejado de cravos. Por cada cravo um direito conquistado, transcrito da Constituição de Abril. Mais de cem cravos nascidos de mãos laboriosas de pessoas idosas. Umas lá do bairro, outras do Centro de Dia da Paróquia de São Julião da Barra e de outras mãos também...

Essas outras mãos, jovens, aderiram à iniciativa. E esta adesão é marcante, pois "somos a memória que temos".
Se não passarmos o testemunho, serão frágeis os laços e, assim, mais em risco os direitos conquistados.

Como ficou belo o jardim

19 abril, 2018

Embuçada, escuta bem / Que hoje não fique ninguém / Embuçado nesta sala


Este meu espaço, aberto e arejado, dá abertura a qualquer criatura. Ultimamente tem acolhido "anónimos" que assinam e outros, que não o sendo, vai parar ao mesmo, pois entram com nomes que não lembra ao Diabo e  se assinam mascarando o perfil.
Aceito isso, pois em tempos fui eu próprio (de certo modo) clandestino.

Escreveu uma tal Mafalda, que não tem a ver nem com o Quino nem comigo, e que me provoca, assim:
«...Esqueceu-se do "Marcelinho", um Sistema criado com a matemática "perfeita", 2.413.956 votos passam a 52% e a Presidente de Todos os 10.325.500 portugueses, nessa altura porque, hoje, já somos menos.
Votar para euro-deputados que não podem propor, nem vetar Leis e, aprovar coisas no Parlamento vindas "de fora" por estarmos algemados a uma Dívida que não pára de crescer... "A bem dos Portugueses" quase me fez vomitar... devo estar a abusar do vinagre...»
Disse ela.

"Pois!", digo eu (e de pronto me ocorrem palavras de Saramago, que sempre deu a cara)

18 abril, 2018

Siria, outro bombardeamento, outras vítimas

«O conflito Sírio conheceu novos desenvolvimentos na última semana. A coligação ocidental formada pelos EUA, França e o Reino Unido, atacaram posições do regime controlado por Bashar Al-Assad. Este ataque surge como retaliação pelo uso de armas químicas contra a oposição rebelde em Ghouta oriental. O serviço Telenews registou um total de 124 notícias e 4 horas e meia de emissão sobre o tema»
Claro que, ao meu estílo, com este texto introduzo uma irónica analogia. O bombardeamento que refiro é com notícias. A negrito sublinho o tipo de arsenal usado. Quanto à intensidade de fogo, "de salientar a cobertura da RTP1 com 2 horas de emissão e 50 notícias emitidas".

As vitimas, os incautos telespetadores, desconhece-se  o balanço e o estado em que ficaram as cabeças. Já, como pode ler aqui, "O balanço militar do bombardeamento de 14 de Abril é surpreendente : 103 mísseis teriam sido disparados pelos Aliados. Teriam sido destruídos 71 em vôo pelo Exército Árabe Sírio. Um laboratório militar desocupado teria sido arrasado e instalações de dois aeródromos foram atingidas. Este dilúvio de fogo não teria causado mais que três feridos e não teria matado ninguém. Se Donald Trump, Emmanuel Macron e Theresa May queriam mostrar a sua força, acabaram sobretudo mostrando a sua impotência."