27 fevereiro, 2015

A bomba de "eurões", a guerra, a Grécia e o perdão da dívida.



Diz-se que o perdão da (parte) da dívida à Grécia não se aplica pois os gregos não emergiram de uma guerra. À Alemanha sim, por isso mesmo e porque sim.
Quanto à Grécia não ter emergido de uma guerra, não tenho essa mesma certeza. Por lá terá detonado uma bomba de "eurões". Isso!, "eurões", que é uma evolução requintada e muito mais sabida que a dita bomba antecessora, de "neutrões". Enquanto, a de "neutrões" mata a vida, a aniquila, e mantém disponível para o uso e abuso todo o património edificado, a outra, injectando euros sobre a forma de subsídios, produz um mix mais difícil de avaliar sobre os impactos da vida humana, a futura e a quotidiana. A dificuldade está indexada à selectividade: a uns mata, a outros farta. Aos que mata, não nos são patentes, imediatamente, os corpos. Aos que farta, não é imediatamente mensurável a fartura, pelos emaranhados dos procedimentos contabilísticos e pela solidez do nevoeiro que escondem as contas enfartadas em "offshores"...
Independentemente, do tipo de guerra, a outra ou esta, é válida a conclusão tirada:
a história confirmará que não há milagre económico sem perdão da dívida

26 fevereiro, 2015

25 fevereiro, 2015

Bilderberg, Bilderberg, para que é que serve?


Antes da resposta à pergunta em título que (aparentemente) nada tem a ver com a foto exposta, nem o que o terá dito o Costa (dito que deixou muita gente com os olhos em bico) deixem-me que vos lembre uma frase batida: "Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida".
Pronto, agora vamos ao ponto.
E é assim (ou tudo leva a crer que assim seja):